Ouça ao vivo!

07 MARÇO 2013
Dubstep é o gênero rei da música pop atual
Autor: Phelipe Cruz
Fonte: Site Burn


O dubstep nasceu há 13 anos no sul de Londres, numa mistura de pop music, drum`n`bass, grime e "breakbeat" - um ritmo que incorpora o jeito "quebrado" de um britânico falar na música. Hoje, não existe festa no mundo que não tenha um toque do dubstep, que tomou conta da cabeça de produtores e DJs como Calvin Harris, Deadmau5, Skrillex e uma penca de artistas populares pelo planeta.

Maior exemplo na música pop? Fácil! A cantora Rihanna, que normalmente já coloca qualquer pista para ferver com uma frase e um acorde, fez do seu mais recente CD, "Unapologetic", basicamente uma homenagem ao dubstep. Da música que abre o álbum, "Phresh Out The Runway", à hits como "Poor it Up" e "Jump", o trabalho conta com o peso e marca do dubstep, que só reforçam a ousadia e a atitude da cantora mais famosa de Barbados.

Há alguns anos, quem fez um elogiado CD mergulhado no ritmo britânico foi o inglês James Blake, que ajudou a popularizar a sonoridade. Com o álbum homônimo de 2011, o músico alcançou sucesso com os singles "Limit To You Love" e "A Case Of You".

Quem também se rendeu à delícia do dubstep foi a rainha do pop, Madonna. No seu CD de 2012, "MDNA", a loira encaixa a quebrada do ritmo em várias músicas, mais notadamente no primeiro single do CD, "Give Me All Your Luvin", com participação de Nicki Minaj e M.I.A - cantora e produtora que também tem uma quedinha por essa nova sonoridade.

Recentemente, outros que usaram (e abusaram!) do recurso para incendiar as paradas musicais mundo afora foram as cantoras Demi Lovato e Taylor Swift. A primeira lança mão do estilo em sua nova música, "Heart Attack", enquanto Taylor deixou a marca do dubstep tomar conta da sua mais do que bem-sucedida música, "I Knew You Were Trouble".

Até no rock o estilo tem ganhado força, prova disso é o Muse e sua grandiosa “Madness”, single polêmico e de sucesso, fruto do seu mais recente disco e que promete fazer arenas tremerem.

Mas talvez quem fez do dubstep um ritmo "top" em 2012 em todo o mundo foi o músico Alex Clare, que, não por coincidência, tem os dois pésinhos no sul de Londres. A sua música "Too Close", lançada em 2011, é construída completamente com o estilo musical. A faixa entrou no top 10 de praticamente todas as listas musicais do planeta (mesmo!) e ganhou dezenas de remixes para as pistas de dança. 



Confirmando a tendência dubstep que está dominando os Estados Unidos, o produtor Skrillex saiu pela segunda vez como o representante da música eletrônica mais premiado no Grammy Awards.

Com 3 prêmios, Skrillex igualou seus resultados do Grammy de 2012. Desta vez, superou nomes como deadmau5 e Chemical Brothers para levar melhor álbum de eletrônica, com Bangarang; bateu Levels, de Avicii, para ficar com melhor gravação eletrônica, por Bangarang também; e ainda conseguiu levar melhor remix não clássico, por seu trabalho em cima da track Promises, de Nero. 



Somando estas premiações às 3 de 2012 (melhor videoclipe, melhor remix não-clássico e melhor gravação eletrônica), agora Soony Moore possui seis prêmios do Grammy - um número notável, que jamais foi alcançado por nomes como Daft Punk (2), Chemical Brothers (4) e David Guetta (2). Tudo graças ao dubstep.



COMPARTILHE